10/17/2012

Dilma Rousseff inaugura UHE Estreito nesta quarta-feira



(As informações são da Secom do governo do Estado)
Além da presidenta, o vice-governador Washington Luiz estará na inauguração da usina.

IMPERATRIZ - Governador em exercício do Maranhão, Washington Luiz Oliveira, e a presidenta da Repúbica, Dilma Rousseff, inauguram nesta quarta-feira (17), às 9h, a Usina Hidrelétrica de Estreito, construída no Rio Tocantins, na divisa entre o sudoeste do Maranhão e o norte do Tocantins. A confirmação foi feita pelo presidente do Consórcio Estreito Energia (Ceste), Carlos Castanho Júnior, e pelo diretor do Departamento de Monitoramento do Setor Elétrico do Ministério de Minas e Energia, Domingos Andreatta, em entrevista coletiva concedida na tarde desta terça-feira (16), em Imperatriz.
Na ocasião, foram detalhadas a agenda da presidenta na região, as ações e os investimentos empregados para implantação da UHE Estreito. Pelo cronograma traçado, Dilma Rousseff deve desembarcar às 8h45 desta quarta (17), em Imperatriz, onde será recebida pelo governador em exercício.
Os dois seguem juntos para Estreito. A visita a UHE Estreito está marcada para as 9h20. Em seguida, às 10h, acontecerá a solenidade de inauguração. “Mais do que uma hidrelétrica geradora de energia, a Usina de Estreito se tornou um vetor de desenvolvimento e inclusão social e econômica para a Região Tocantina. Temos orgulho de inaugurar uma hidrelétrica que irá gerar energia limpa e renovável para milhões de brasileiros”, afirmou o presidente do Ceste.
Na entrevista coletiva, Carlos Castanho destacou a parceria do Governo do Maranhão com o consórcio responsável pela construção da hidrelétrica. “O apoio do governo estadual foi fundamental para que tivéssemos um empreendimento deste porte inserido nesta região. Além disso, possibilitou a capacitação de mão-de-obra e a geração de milhares de empregos”, ressaltou.
Para a cerimônia de inauguração, quando será acionada a última das oito turbinas da hidrelétrica, são esperadas outras autoridades do Governo Federal e dos governos maranhense e tocantinense, além de prefeitos da Região Tocantina e do Bico do Papagaio, lideranças empresariais, políticas e comunitárias.
A obra é considerada o maior investimento do conjunto de ações para a geração de energia do Programa Aceleração do Crescimento (PAC 2). A usina está agregando ao Sistema Elétrico Brasileiro 1.087 MW, energia esta, suficiente para abastecer uma cidade com quatro milhões de habitantes.
“Isso vai trazer grandes benefícios para o Sistema Interligado Nacional, com inclusão de 641 MW/médios, sendo estratégico para a manutenção do equilíbrio entre oferta e demanda”, detalhou Domingos Andreatta, do Ministério de Minas e Energia.
Investimento e estrutura
A Usina de Estreito é uma obra de utilidade pública realizada com investimentos privados da ordem de R$ 5 bilhões e sua construção e implantação foram realizadas em quatro anos, com a criação de 36 mil empregos diretos e indiretos. Dos empregos diretos, 85% foram captados na própria região, sendo que 4 mil desses profissionais foram capacitados em parceria entre o Ceste e o Governo do Maranhão.
A obra foi executada pelo Consórcio Estreito Energia (Ceste), sendo formado por quatros grandes empresas: GDF Suez-Tractebel Energia (40,7%), Vale (30%), Alcoa (25,49%) e Intercement (4,44%).
O cronograma de construção foi dividido em três fases: instalação do canteiro de obras, concretagem da casa de força e do vertedouro e a construção da barragem, com 60 metros de altura e 480 metros de extensão - ligando as estruturas da casa das máquinas e o vertedouro.
“As mais modernas técnicas de edificação foram utilizadas nos serviços, sendo boa parte da mão de obra da região, e com equipamentos e maquinário brasileiro”, assegurou Carlos Castanho.